Follow by Email

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Brotas de Macaúbas tem data de emancipação revista

Depois de uma luta de mais de dez anos, quando questionamos na imprensa, em blogs e até mesmo junto à Câmara Municipal sobre o erro histórico na data de emancipação política do nosso município, eis que finalmente a Câmara de Vereadores aprecia o projeto de lei  enviado pelo Poder Executivo, fixando o dia 16 de julho de 1878 como a verdadeira e única data natalícia de Brotas de Macaúbas.
Essa luta pela data certa da emancipação política está presente e todos podem conferir no blog www.brotasaqui.blogspot.com.br (http://brotasaqui.blogspot.com.br/2012/03/afinal-qual-o-dia-do-aniversario-de.html) e também em sites de notícias regionais com o do Correio do Oeste (http://correiodooeste.com.br/brotas-de-macaubas-data-da-emancipacao-e-questionada/), além de diversas outras fontes feitas na imprensa estadual.

O dia de 30 de março de 1938 como data da emancipação política foi fixado de forma errônea e equivocada pela Lei Orgânica do Município,  que finalmente agora será corrigido em definitivo.

Uma cidade e um município sem história é algo terrível. Brotas de Macaúbas com 139 anos de emancipação, assegurada por lei imperial é um dos mais antigos municípios do estado da Bahia e não pode, de maneira alguma, viver esse retrocesso histórico.

Para celebrar o restabelecimento da data de emancipação política, que retorna ao tradicional 16 de julho, fizemos um resumo da nossa grande história de lutas que pode ser usado como instrumento para assegurar a nossa cidadania através do resgate histórico. É o que você verá a seguir. Boa leitura e vamos juntos construir a nossa história.
Rosalvo Martins Júnior, jornalista
BROTAS AMADA
139 anos – 1878-2017
Brotas de Macaúbas, 2017
Direitos reservados
ROSALVO MARTINS JÚNIOR
Fotos do arquivo da família e/ou cedidas pela comunidade de Brotas de Macaúbas
   * Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, por qualquer meio, seja ele total ou parcial, constitui violação da Lei n° 5.988
Brotas de Macaúbas é uma das mais antigas cidades da Bahia. Nasceu da procura dos garimpeiros pelos diamantes e o ouro, abundantes em nosso território. São mais de 200 anos de existência, desde a chegada dos primeiros habitantes, com a descoberta da fonte de água no Boqueirão.
Elevado à condição de município em 16 de julho de 1878, o município enfrentou guerras e muitas secas, mas sempre manteve-se fiel às suas mais ricas tradições cristãs.
A “terra dos doutores” é a capital do Divino Espírito Santo e marca na história da Bahia e do Brasil com importantes acontecimentos ao longo de 139 de emancipação política.
Esta é a história que você, brotense, conhecer nesta publicação nascida da luta de seus filhos para preservar o nosso rico legado.

Os primeiros moradores em Brotas de Macaúbas foram os índios. A maior nação indígena brotense era conhecida como Tapuia. Vivia da caça e da pesca até a chegada dos primeiros brancos – garimpeiros de origem portuguesa vindos de Minas Gerais, principalmente, no final do século XVII.
O choque de culturas foi muito grande. Os índios resistiram, mas os brancos mais fortes e armados conseguiram dizimar a cultura indígena em nossa região.
A presença desses primeiros brotenses, no entanto, persiste nas pinturas rupestres deixadas em grutas e grandes pedras que podem ser estudadas em diversos pontos de nosso município. Muitas famílias brotenses mantêm até hoje os traços indígenas e muitos costumes – o de fazer beiju de massa e farinha, por exemplo.
Hoje não existem famílias exclusivamente branco-portuguesas, nem tampouco genuinamente indígenas, formadas unicamente por descendentes desses índios primitivos e pioneiros exploradores. Há a mistura do índio com o branco e também com o negro, vindo feito escravo, e com os filhos destes.
Uma gente que conserva na cor da pele, no cabelo, nos traços fisionômicos e na cultura a origem do que podemos chamar a alma brotense.

CORRIDA DO OURO
Só o brilho do ouro e dos diamantes, fartos em nossa região, para atrair garimpeiros vindos do Grão Mongol e do Tijuco, em Minas Gerais. Vieram também desbravadores portugueses, seguidos por comerciantes turcos e judeus e os escravos negros. O choque com os índios nativos foi inevitável e o genocídio indígena marcou de sangue o chão brotense nesse confronto desigual. A mistura desses povos gerou uma gente mestiça e destemida que iria se juntar mais tarde num grande exército às lutas travadas para garantir a autonomia municipal.
A história de Brotas de Macaúbas é marcada pela valentia desses filhos de portugueses, negros, índios, árabes e judeus. Aqui eles forjaram uma civilização ímpar, onde o diamante e o ouro dos primeiros dias foram sendo substituídos pela força da inteligência e pela cultura da fé e da paz. Essas são as marcas da “Terra dos Doutores”, nascida sob o signo do milagre de Nossa Senhora de Brotas e do surgimento da capela em devoção à santa que deu origem à povoação, que se fez vila e depois cidade.

O PRIMEIRO DIAMANTE
Brotas de Macaúbas desponta na Chapada Diamantina como o local onde, em 1842, foi encontrado o primeiro diamante da região – no local onde mais tarde surgiu a antiga vila de Chapada Velha. Foi no garimpo de José Pereira de Matos (também conhecido como Seu Quincas, avó do coronel Horácio de Matos, que viria a ser intendente. Seu Quincas veio do Grão Mongol, Minas Gerais, desembarcando em terras baianas pelo Rio São Francisco em dezembro de 1839, entrando mato adentro com a coragem de um guerreiro. A descoberta de tão cobiçada pedra preciosa desencadeou a grande corrida de garimpeiros, aventureiros e jagunços e toda ordem de gente para as Lavras Diamantinas. Bambúrrios e infortúnios se sucederam numa desenfreada luta de coronéis, manchando o solo árido de muito sangue.


CAYAM-BOLA E ROMÃO GRAMACHO
Contam os mais antigos que o primeiro nome de Brotas de Macaúbas foi Cayam-Bola, provavelmente de origem indígena ou, conforme estudos mais recentes, por aqui ter sido um quilombo, onde se refugiaram negros escravos fugidos de fazendas da região.. Além dos índios, que desapareceram na forma original, mas que deixaram a sua marca nos traços de nossa gente, os primeiros habitantes eram garimpeiros e pessoas que trabalhavam na extração e comercialização de diamantes, muitos dos quais vindos de Portugal.
O território brotense estaria incluído em terras permitidas à exploração ao aventureiro Romão Gramacho, cujo registro de sua passagem por aqui também é inexistente. O certo é que nossas terras, com a permissão dos herdeiros da Casa da Ponte, foram arrendadas e posteriormente vendidas a um dos primeiros desbravadores - Carlos Rodrigues Barreto de Araújo. Estabelecido na Fazenda Santana e, depois, na Fazenda Fundão (hoje Ipupiara) com a esposa e 12 filhos.
As terras da Fazenda Fundão foram sendo divididas e distribuídas com os sucessivos casamentos dos filhos do casal Araújo Barreto, surgindo assim diversas localidades, a exemplo de Olhos D´água, São Domingos, Pega (Nova Santana), Buriti, Riacho do Carro, Caldeirão (Sodrelândia), Pedra Pintada, Canabrava (Cristalândia), Gameleira (Ibipetum) dentre outras.
A cidade surgiu e cresceu em torno da pequena capela devotada a Nossa Senhora que foi construída pelos herdeiros da família Araújo Barreto. Os irmãos Mathias (Mathiota) Rodrigues, Felipe Olímpio e Antônio Sodré trouxeram da capital da Província a imagem da padroeira, Nossa Senhora de Brotas, que permanece até hoje como protetora de todos os brotenses. A santa e o próspero comércio de pedras atraíram muitos moradores e o lugarejo cresceu tendo sido elevado à condição de município em 20 de junho de 1882. Com relação à capela, que foi reformada várias vezes, valendo registro as de 1901 – concluída em 1910 -, quando foi totalmente ampliada e retelhada; dos anos 40, quando a igreja ganhou a primeira torre, construída pelo mestre pedreiro José Viana; Nos anos de 1990 quando teve a nave central ampliada, ganhou novo telhado e pintura e mais recentemente nos 2000, oportunidade em que foi erguida a segunda torre. Sobre a história da capela há ainda o registro de que Prudente de Araújo Rodrigues Barreto conseguiu da família a escritura da gleba de terras que foram doadas a Nossa Senhora de Brotas. Há documentação nesse sentido no Cartório de Registro de Imóveis da Comarca. O pequeno povoado de origem em 1847 foi elevado à condição de freguesia. Em 16 de junho de 1878, por Lei Provincial, o território ganhou a denominação de Vila Agrícola de Nossa Senhora de Brotas.
 Igreja Matriz de Nossa Senhora de Brotas antes da construção da segunda torre. A primeira foi construída no final dos anos de 1930
Nos anos 40 – logo após o fim da II Guerra Mundial –, mais precisamente no dia 8 de setembro de 1947, Brotas celebrou o primeiro centenário da Freguesia (Paróquia), data que foi marcada pelo pouso dos primeiros aviões na cidade, em um campo construído em seis dias pelo padre José Pereira Bastos (filho da terra) nas imediações de onde fica hoje a Fundação João Cristiano.
A história brotense é muito mais antiga. Relata o heroísmo de seus filhos e filhas na primeira década do século XX, pegando em armas para lutar pela hegemonia do município, cuja fundação se deu no tempo do Império.
EXTENSÃO TERRITORIAL
O município de Brotas de Macaúbas, que era extraordinariamente grande e tinha sete mil quilômetros quadrados, incluía as terras que hoje formam os municípios de Morpará (margem do Rio São Francisco), Barra do Mendes e Ipupiara, hoje possui respeitáveis 2.372,44 km2. A primeira penetração no território aconteceu na segunda metade do século XVII, por garimpeiros à procura de ouro e pedras preciosas. Dessas incursões o pequeno povoado foi elevado à condição de Freguesia, em 1847, com o nome de Nossa Senhora das Brotas de Macaúbas.
EMANCIPAÇÃO
A Emancipação política do município aconteceu em 16 de julho de 1878, pela  Lei Provincial de nº 1.817, assinada pelo então presidente (governador) da Província da Bahia e dignitário da Ordem das Rosas, o barão Homem de Melo, integrante do Conselho de sua Majestade o Imperador Dom Pedro II, responsável pela lei que elevou a Freguesia de Nossa Senhora de Brotas de Macaúbas à categoria de Vila, sob a denominação de Villa Agrícola de Nossa Senhora de Brotas, com seu território desmembrado do município de Macaúbas. A instalação definitiva do novo município, porém, somente se efetivou em 20 de junho de 1882, com a posse de Antônio Sodré de Araújo Barreto, o primeiro Intendente (prefeito) Municipal.
Brotas se destaca ainda na luta contra duas ditaduras. A de Getúlio Vargas impôs ao nosso povo a intervenção de Nestor Rodrigues Coelho. Este governou o município por quase 15 anos, até a eleição de Osório D´Oliveira Rosa, o primeiro prefeito eleito democraticamente e em eleições livres. Na ditadura militar, entre agosto e 17 de setembro de 1971, os brotenses assistiram ao assassinato do filho da terra José Campos Barreto (Zequinha) e do capitão Carlos Lamarca, perseguidos como inimigos do regime instalado no Brasil em 31 de março de 1964


CONTRA DITADURAS
Brotas se destaca ainda na luta contra duas ditaduras. A de Getúlio Vargas impôs ao nosso povo a intervenção de Nestor Rodrigues Coelho. Este governou o município por quase 15 anos, até a eleição de Osório D´Oliveira Rosa, o primeiro prefeito eleito democraticamente e em eleições livres. Na ditadura militar, entre agosto e 17 de setembro de 1971, os brotenses assistiram ao assassinato do filho da terra José Campos Barreto (Zequinha) e do capitão Carlos Lamarca, perseguidos como inimigos do regime instalado no Brasil em 31 de março de 1964


NO CENÁRIO NACIONAL
A sede do município está a 590 quilômetros de Salvador e por diversas vezes figurou no cenário político nacional. No início do século passado, quando das guerras entre os coronéis Clementino Pereira de Matos (filho do pioneiro Quincas) e seu sobrinho Horácio de Matos, da Chapada Velha, que lutaram contra Militão Coelho, de Ipupiara/Barra do Mendes. A disputa entre os chefes políticos conflagrou a região e envolveu ainda diversas cidades da Chapada.
Em 1971 – anos de chumbo da ditadura militar – a população local assistiu a caçada e o assassinato do capitão do Exército e guerrilheiro Carlos Lamarca que tombou, juntamente com um filho de Brotas, José Campos Barreto, o Zequinha, no povoado de Pintada (Ipupiara). Naquela época, o município viveu dias de muita tensão e terror, especialmente na comunidade de Buriti Cristalino, onde as forças do Exército mataram também o professor Santa Bárbara e Otoniel Barreto, baleando Olderico Barreto, os dois últimos irmãos de Zequinha, além de torturarem selvagemente o pai deles, José Campos Barreto.
Hoje o dia 17 de setembro é reverenciado e muitas homenagens são prestadas aos guerrilheiros que foram assassinados durante uma operação comandada, na ocasião, pelo major Nilton Cerqueira, do DOI-CODI. Antes, em agosto, a comunidade de Buriti Cristalino foi tomada de assalto pelas tropas do delegado-algoz Sérgio Paranhos Fleury, do DOPS de São Paulo.
A história do Cangaço também tem um capítulo decisivo nas terras brotenses. Aqui, Lampião, respeitando pacto com o coronel Horácio de Matos, jamais pisou seus pés. Mas após a morte do líder cangaceiro, em Angico, Sergipe, para cá se escondeu um de seus braços direitos, o temido cangaceiro Corisco e sua mulher Dadá. Ela conseguiu escapar viva da perseguição policial, o mesmo não acontecendo com o marido. O “Diabo Loiro” Corisco foi morto em terras brotenses no dia 5 de maio de 1940.
MILAGRE DA VAQUINHA
Há notícias sobre a existência de Brotas de Macaúbas desde o final do século XVII. Mas a povoação em torno da igreja e do cemitério, construído do lado direito, ganhou força com o milagre da vaquinha, por volta de 1792.
Aqui recorremos a uma lenda, pois não existem registros comprobatórios.
Conta-se que a filha de um fazendeiro (provavelmente um dos menbros da pioneira família Araújo Barreto) ficou muito triste com o sumiço de uma bezerrinha, presente do pai, levando a mãe a fazer uma promessa de que mandaria erguer uma capela para louvar Nossa Senhora caso o animal fosse encontrado.
Meses se passaram e a menina definhava, até que caçadores e vaqueiros encontraram o animal perdido, já uma vaquinha e com um bezerrinho, no local chamado Boqueirão, de água pura e boa e da qual não se sabia a existência até então. A água cristalina - que abasteceu a população por muitos anos - e o capim farto no local salvaram a vida da bezerrinha perdida. Além da capela, o pai da menina também doou as terras ao derredor que foram sendo povoadas até os dias de hoje. O Boqueirão foi o marco zero da cidade, mas hoje definha quase morto por anos de abandono e descaso.
A partir do milagre da vaquinha e da descoberta de importante fonte de água, nascia a florescente Vila Agrícola de Nossa Senhora de Brotas, que mais tarde foi elevada à condição de município, incluindo terras agora pertencentes a Ipupiara, Morpará, Barra do Mendes, além da vila de Corrente, hoje Bom Sossego, em Oliveira dos Brejinhos.
AGRICULTURA FAMILIAR
A economia de Brotas, outrora próspera pela extração de carbonatos, diamantes e ouro, assim como pela criação de gado, hoje é baseada na agricultura familiar, principalmente com a produção de frutas, feijão, milho, além de pecuária e criação de caprinos. Há de se destacar as associações e pequenas cooperativas produtivas de hoje em diversas comunidades e o cultivo da cana de açúcar e produção de aguardente e rapadura, intruduzidos desde os primórdios, pelos colonizadores.
Brotas de Macaúbas também é um dos maiores produtores de cristais de quartzo. O quartzo com fios dourados - rutilo - pode ser a grande esperança para a nossa economia, mas os garimpos ainda asseguram poucos empregos, os lucros vão para uma minoria e não há recolhimento de impostos.

             
O município de Brotas de Macaúbas foi no passado o rei do fumo em corda – o ouro negro - que trouxe riqueza à região, destacando-se as comunidades de Lagoa de Dentro e Gameleira, hoje Ibipetum (esta hoje pertencente a Ipupiara), além de diversas outras localidades. O cultivo do fumo foi de grande importância para o desenvolvimento municipal, mas não houve uma política de comercialização que garantisse o lucro dos agricultores e comerciantes. A descoberta de novas plantas e de novas áreas de cultivo, aliada à dificuldade do escoamento de nossa produção, além da falta de iniciativa dos brotenses em formarem, por exemplo, uma cooperativa que negociasse o produto em quantidade – já que o fumo de Brotas tinha nome e qualidade no mercado – fez com que esse negócio entrasse em decadência e hoje é apenas uma lembrança.
 Lideranças políticas brotenses na época do conflito entre Horácio e Militão
OS GOVERNANTES
Brotas de Macaúbas viu a política dos coronéis e dos intendentes escolhidos de arma em punho; a ditadura Getúlio Vargas impor interventores, nos anos 30 e 40, até a eleição de Osório (Juca) D´Oliveira Rosa, o primeiro prefeito eleito pelo voto direto do povo, em 1946. A partir de então, foram prefeitos eleitos pelo povo: Osvaldo Rosa (dois mandatos), Gaudêncio Oliveira (duas vezes), Edson Ribeiro (três vezes), Dr. Walter Bastos de Matos, José Martins do Espírito Santo, Antônio Kléber Ribeiro (três vezes), Aurelice Barreto Farias, Arilton Oliveira, Litercílio Nunes de Oliveira Júnior, Cristina Lima Sodré e
novamente Litercílio Nunes, atual prefeito, empossado que foi no dia 1° de janeiro de 2017.

MULHERES NA POLÍTICA
As mulheres brasileiras ganharam o direito de votar em 1933, mas as brotenses somente puderam exercê-lo plenamente após a ditadura de Getúlio Vargas, votando nos deputados da Constituinte de 1945 e, em janeiro de 1947, ajudando a eleger o governador Otávio Mangabeira.
Como diz a professora Solange Oliveira, em Projeto apresentado no Trabalho de Conclusão de Curso da Especialização Interdisciplinar em Estudos Sociais e Humanidades, intitulado “Mulheres e política: percepções e atuação política da mulher brotense”, “a busca pela participação da mulher na política brasileira passou por diversas fases ao longo do tempo, sendo, desde o início, uma busca pelo alcance da condição de sujeito, não apenas político, mas também social e econômico. Estudos que analisam a participação da mulher na política enfatizam as diferentes formas de exclusão pelas quais a mulher vem passando ao longo do tempo, sendo que, alguns destes, destacam que tal situação retrata uma realidade socialmente construída, podendo como tal, ser alterado, o que inclusive já vem ocorrendo, independente da velocidade na qual se manifesta”.
O capital político feminino em Brotas de Macaúbas é dos mais significativos e muitas são as mulheres de destaque na política local. Das pioneiras – Dona Mariazinha Rosa de Oliveira, esposa do ex-prefeito Gaudêncio Oliveira e Dona Alzira (Zizinha) Ribeiro do Espírito Santo -, no final dos anos 50, primeiras vereadoras eleitas, as brotenses sempre mostram a que vieram. Na Câmara Municipal, outras mulheres foram eleitas – algumas com expressivas votações -, a exemplo de Marli Barbosa Brandão, Cleusa Rodrigues, Libânia (dona Albana) Ribeiro de Alcântara, Lúcia Bezerra, Creuza Lima, Ildonete Custódio, Generosa Oliveira, Nila Pereira de Oliveira, Marluce Carvalho Porto, Clarice Figueiredo Matos, Flávia Ferro e Cléia Alcântara Sodré. As mulheres brotenses também chegaram ao mais alto posto, sendo escolhidas prefeitas – a exemplo de Aurelice (Licinha) Barreto Farias e Cristina Sodré Lima.
              A grande riqueza cultural marca a identidade do povo brotense

A religiosidade do povo brotense é muito forte, nascida sob as bênçãos da padroeira, Nossa Senhora de Brotas. Mas um evento se destaca nesse contexto: trazidos pelos primeiros colonizadores, em sua maioria com origem no arquipélago português de Açores, a Festa do Divino Espírito Santo é um dos maiores legados culturais e religiosos da região.
Os festejos ao Divino duram 50 dias, desde a Páscoa, quando começam a ser pedidas as Esmolas até o Dia de Pentecostes, cuja data é fixada a partir do calendário judaico que também determina outras datas como o Carnaval e a Semana Santa. O tropel dos cavalos desperta a multidão e aumenta a algazarra.
A população segue devotamente o Imperador e o Capitão que levam a Bandeira do Divino (vermelha com a pomba branca estampada) de casa em casa em todas as comunidades da Freguesia. Tanto Imperado quanto Capitão são escolhidos por sorteio na Igreja Matriz ao final de cada festejo. Além das Esmolas, eles organizam a Cavalaria – quando centenas de cavaleiros chegam à cidade na véspera de Pentecostes trazendo a bandeira e toda a alegria dos festejos divino. O povo sai, encantado, às ruas para recepcionar uma tradição que se repete desde os primórdios de nossa cidade.
Leilões. Missas, novenas e procissão completam uma acontecimento cuja devoção está na alma brotense.

Ladainha das Esmolas
A Ladainha das Esmolas é cantada com muita fé e entusiasmo pelos devotos durante a Festa do Divino. Faz parte da visita da Bandeira de casa em casa e que arrasta multidões todos os anos pelas ruas da cidade e em todos os recantos por onde a caravana do imperador passa. Não se sabe o autor ou autora de tais versos que o povo repete todos os anos como um mantra sagrado e muito especial:
É chegada em vossa casa
Uma formosa bandeira (bis)
E nela vem retratada
Uma pomba verdadeira (bis)
Divino Espírito Santo
Em vossa morada entrou (bis)
Vem correndo a freguesia
Visitando os morador (bis)
Essa pomba que aqui vem
É de Deus muito louvada (bis)
São as mesmas três pessoas
Da Santíssima Trindade (bis)
Vem pedindo a sua esmola
Que muito carece dela (bis)
Para serem festejadas
Dentro de sua capela (bis)
Divino Espírito Santo
Dono do Sol que nos cobre (bis)
Ele é dono do tesouro
Pede esmola como pobre (bis)
Ele pede é por pedir
Mas não é por carecer (bis)
Pede para experimentar
Quem seu devoto quer ser (bis)
Divino Espírito Santo
Divino consolador (bis)
Consolai as nossas almas
Quando desse mundo for (bis)
Quem se benze com a bandeira
Desse Divino Senhor (bis)
Benze Deus na sua graça
Dentro do seu resplendor (bis)
Quem dá esmola a esse santo
Não repara o que vai dar (bis)
Seja dez reais ou vinte
Fica mil em seu lugar (bis)
Deus lhe pague a esmola
Deus lhe dê muita saúde (bis)
A esmola é caridade
A caridade é virtude (bis)
Deus lhe pague a esmola
Se vos derem com grandeza (bis)
Deus permita que por ela
No reino do céus se veja (bis)
Festa do Divino, maior manifestação de fé em Brotas de Macaúbas

PONTOS TURÍSTICOS


Além da bela Igreja Matriz, Brotas de Macaúbas possui alguns marcos dignos de registro, a exemplo da Pedra do Urubu  onde, diz a lenda, estaria a marca do pé do coronel Horácio de Matos feita durante as lutas em defesa pela soberania do município. 
O Açude Sereno, construído no final do século XIX, início do século XX – época de grande seca e de quando a população viveu a “grande fome”. Fica na entrada da cidade, tendo ao fundo o Morro da Colônia, outra referência que remete a nossa lembrança, assim como o hoje depredado e esquecido Boqueirão.
Há também belos exemplos da arquitetura colonial, especialmente em algumas poucas casas da Praça Dr. João Borges que resistiram ao tempo e à sanha consumista dos homens. Com relação a isso, registramos a destruição do Sobrado do Major Quintino Arcanjo Ribeiro, local onde, nos anos 60, funcionou o Colégio Cenecista. A Igreja de Nossa Senhora de Brotas – cuja primeira reforma foi concluida em 1910 (sem as torres) é outro destaque, valendo o citar a nova torre construída no início deste século XXI, nos mesmos moldes da primeira.
Contruída pelo Major Quintino Arcanjo e sua mulher Tertuliana Novais, a Capelinha, no alto da Colina do Boqueirão, é outra referência brotense.
Na memória coletiva do nosso povo, três marcos culturais, igualmente destruídos pelo descaso: As três filarmônicas – 7 de Setembro, 15 de Novembro e Lira Brotense – desapareceram. O mesmo aconteceu com a Lapinha de Joana Messias - com a morte da proprietária o presépio não foi conservado (ela não tinha filhos) e desfez-se uma tradição que encantou gerações inteiras. O outro exemplo é o Reisado – sendo o mais conhecido e popular o Reis de Lalu. Este perdeu-se no tempo, sendo até hoje lembrado pelo povo.
Fora da área urbana, outras maravilhas da natureza se destacom: o Lajedo, o Riachão, grutas do Buriti Cristalino, a Cachoeira de Três Reses, Santana, Olho D´água, Outeiro do Araci, Água Quente, Santa Maria e Santa Marina que podem se transformar em lugares para ótimos passeios.



   

     Petas, rupiado e cortado de banana verde estão no cardápio

CULINÁRIA ESPECIAL
Dos índios, ainda guardamos a tapioca e o beiju, além de alguns pratos típicos como o cortado de banana verde. A buchada, assim como a paçoca de carne seca (de pilão) são muito apreciadas, juntamente com a galinha capira. Outro destaque é o tradicioRpiado, caldo com carne, ovo e farinha, muito apreciado por todos.
  

Nascido em Chapada Velha no dia 18 de março de 1882 Horácio de Queirós Matos talvez seja o primeiro grande heroi do povo brotense. Em defesa da hegemonia política de Brotas, Horácio enfrentou, com coragem e destemor, as forças contrárias, em especial as do coronel Militão Coelho que, no começo do século XX, desejavam levar a sede do município para Barra do Mendes.
Horácio de Matos chegou ao comando da família das mãos de seu tio também coronel, Clementino Matos. A família mantinha longa amizade com o coronel Militão Rodrigues, de Barra do Mendes, que acabou desaguando em inimizade, intrigas e lutas. Com filhos todos crianças, Clementino escolheu o sobrinho que mais confiava para essa missão. Em ritual familiar, Horácio recebe o comando numa reunião secreta onde fez o juramento para cumprir o Código dos Matos:
  • Não humilhar ninguém, mas nunca se deixar-se humilhar, por quem quer que seja;
  • Não roubar jamais, sejam quais forem as circunstâncias, nem permitir que alguém roube e fique impune;
  • Ser leal com os parentes e amigos, dando-lhes permanente proteção;
  • Ser leal com os inimigos, respeitando-os em tempos de paz e enfrentando-os em tempos de guerra;
  • Não provocar, nem agredir, mas - caso ofendido -, colocar a honra acima de tudo e reagir, pois não adianta viver sem a dignidade.
Entre as muitas lutas, destaca-se a de 1916 quando Militão Coelho arma-se e com muitos homens invade a sede do município. Foi quando o major Vena, como era conhecido o tabelião de notas Joviniano dos Santos Rosa. Ligado politicamente ao Coronel Rosendo de Amorim, outro líder politico importante e compadre de Horácio, este foi chamado. Vendo que somente pela força era possível tratar com Miltão, Horácio invade Brotas para resgatar o major Vena, que acabou levando um tiro que o atingiu na boca, e libertar a cidade.
É dessa época de pelo menos duas grandes batalhas – no Pega (hoje Nova Santana) e Buriti do Alho, onde os homens de Horácio cavaram grandes buracos, surpreendendo os inimigos, e a outra no Fundão (hoje Ipupiara), onde Militão tinha muitos seguidores. Com a vitória, Horácio assume a chefia política do município, feito Intendente, enquanto o arquiinimigo Militão volta para Barra do Mendes, então distrito de Brotas, onde se fortifica e prepara novas investidas.
Horácio ainda conandou a política da Vhapada Diamantina como chefe político de Lençóis e liderou o Batalhão Patriótico Lavras Diamantinas que perseguiu a Coluna Prestes até a Bolívia.
Na noite de 15 de maio de 1938, durante um passeio com a filha de seis anos, Horacina, é assassinado com três tiros pelas costas pelo agente policial Vicente Dias dos Santos.
        

Nascido em 5 de maio de 1926, o professor, geógrafo e jornalista Milton é com certeza o filho mais ilustre de Brotas de Macaúbas. Seu nome batiza hoje a Biblioteca Pública Municipal, localizada no antigo prédio da Prefeitura, na entrada da cidade. Livre pensador brasileiro, homem amoroso, afável, fino, discreto e combativo, dizia que a maior coragem, nos dias atuais, é pensar; coragem que sempre teve. Milton Santos nasceu em Brotas na casa de número 377 da Praça Dr. João Borges (Matriz), onde seus pais foram professores por algum tempo É doutor honoris causa em várias universidades em diversos países países e ganhador do prêmio Vautrin Lud, em 1994 (o Nobel da geografia). Apesar de aqui não ter crescido, nunca se esquivou de referir-se a Brotas de Macaúbas quando chamado a dizer onde nascera.
. Em seu legado estão coragem e originalidade, que podem ser observados em obras como O Povoamento da Bahia (1948), O Futuro da Geografia (53), Zona do Cacau (55) - entre muitos outros. Foi preso em 1964 e exilado. Outras de suas magistrais obras são: Por Uma Outra Globalização e Território e Sociedade no Século XXI.

 “Fica lá onde o vento faz a curva”. Era assim que muita gente dizia ao referir-se à distância de Brotas de Macaúbas - para a capital, Salvador, são 590 quilômetros. O certo é que essa expressão ganhou vida e significado novos com a implantação no município do Primeiro Parque Eólico da Bahia. A força do vento fez com que a Desenvix Energias Renováveis S.A., empresa controlada pelo Grupo Engevix, pela norueguesa SN Power e pela FUNCEF, inaugurasse oficialmente no dia 20 de setembro de 2012, as Centrais Geradoras Eólicas em Sumidouro, região do Cocal.
O Parque Eólico de Brotas de Macaúbas é o maior empreendimento detido integralmente pela Desenvix, com investimentos de R$ 425 milhões. O complexo tem 95 MW de capacidade instalada e um total de 57 turbinas eólicas em operação. A geografia privilegiada da Bahia, a presença de indústrias construtoras de aero geradores no Estado e os estímulos ao investimento privado, oferecidos pelo Governo da Bahia, foram determinantes para o sucesso do empreendimento, como justificam os empresários.
As torres têm 80 metros de altura, equivalente a um prédio de 20 andares e podem ser vistas a uma distância de 90 quilômetros por quem passa pela BR-242, na altura de Brotas de Macaúbas.
Brotas de Macaúbas tem agora uma nova chance de desenvolvimento econômico e que os empregos gerados por essa indústria limpa chegue de fato aos brotenses. Que a força do nosso vento energize o progresso do nosso povo!

DADOS GEOGRÁFICOS
  • Latitude: 12º00'02" S
  • Longitude: 42º37'44" W
  • Altitude:
    • 900 m (média)
    • 1151 m (máxima)
  • Bacia hidrográfica: São Francisco
  • Região: Chapada Diamantina
  • Rios principais: riacho das Telhas/Brotas, córrego Pau Louro
  • Ocorrências minerais: amianto, barita, cobre, cristal de rocha, diamante, ferro, manganês, ouro, quartzito, mármore...

Clima

  • Tipo climático: semi-árido e seco a sub-úmido
  • Temperatura média anual
    • min.: 16, 1°C
    • média: 20,6°C
    • máx.: 25,4°C 
  • Período chuvoso: Novembro a Março
  • Pluviosidade anual:
    • min.: 309 mm
    • média: 723 mm
    • máx.: 1593

Outras informações

  • População em 2011): 10.718 habitantes, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)
  • DDD: (77)
  • CEP: 47560-000






* Com esta postagem sobre a data da emancipação política de Brotas de Macaúbas, reassumo meu blog www.brotasaqui.blogspot.com.br e voltarei a neste espaço publicar notícias, artigos e materiais diversos sobre o nosso município, a Chapada Diamantina, a Bahia e o Brasil. Espero que gostem e acompanhem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário